Pular para o conteúdo principal

NOTAS GENEALÓGICAS - AQUINO E MOURA



Por José Aluísio Botelho e
Eduardo Rocha

1 Alferes Thomaz de Aquino de Moura, nascido em 07/03/1827 e falecido em 05/07/1902 em Paracatu; exerceu o comércio e a profissão de ourives;
Nota1: Thomaz de Aquino e Moura aparece em documentos por nós consultados referido como Thomaz de Aquino e Moura Brochado.
Casou em 08/10/849 com Jacinta Joaquina de Santana, nascida em 1831 e falecida em 30/10/1897;

Nota2: o casal, filhos de pais incógnitos, foi exposto em casa de Dona Maria de Moura Brochado, mulher solteira, que os criou e educou.
Inventário de Jacinta: 1ª Vara cx. I-16.
Filhos:
 1.1 Major Antônio de Aquino e Moura, nascido em 1852 e falecido em 14/01/1937 (?) em Paracatu; com Teodora Pinho Costa, natural de Araxá, filha do alferes Manoel Joaquim da Costa e de Maria Antônia de Pinho, teve:
1.1.1 Antonina Aquino Neiva, nascida em 19/11/1891 e falecida em 19/03/1978; foi casada com o capitão Manoel (Maneco) da Silva Neiva; filhos:
1.1.1.1 Antônio Teodoro da Silva Neiva, nascido em Paracatu em 18/07/1916 e falecido em 20/11/1998 em Goiânia, Goiás; foi casado com Diva Cavalcanti Neiva, natural de Santa Cruz, Goiás;
Sobre ele: formado em Geografia e História pela Faculdade de Filosofia de Goiás, Ciências Jurídicas e Sociais pela UFG; Magistrado e juiz de Direito, professor universitário e membro do Instituto Histórico e Geográfico de Goiás; Antropólogo, escreveu em três volumes a importante obra – Introdução à Antropologia; segundo um seu biógrafo, ele foi um grande intelectual com cultura “enciclopédica” e um profundo interesse cultural; deixou três filhos;
1.1.1.2 Dora Cândida Neiva Porto, falecida em 24/01/2016 em Taguatinga, DF; casada com Moacir Vieira Porto, também já falecido; funcionários públicos; com descendência;
1.1.1.3 Zaida Neiva Batista, casada com Orlando Batista Ulhoa, já falecido; com descendência;
1.1.1.4 Terezinha de Jesus Neiva Miranda, nascida em 29/07/1927 e falecida em 09/06/2010 em Taguatinga, DF, sepultada em Paracatu, MG; foi casada com Cassimiro de Miranda; com descendência; autora do livro “Divagando”, 1995, editora do autor;

1.1.1.5 Dulce Cleide Neiva; sem mais notícias;
1.1.1.6 Joaquim Pedro Neiva, fazendeiro, já falecido; foi casado com Dalva Martins de Siqueira com descendência;
1.1.1.7 Maria de Lourdes Neiva Cordeiro, casada com José Clímaco Cordeiro; com descendência;
1.1.2 Teodoro de Aquino e Moura, faleceu solteiro, sem descendentes;
1.1.3 Otávio de Aquino e Moura, nascido em 1990 em Paracatu e falecido em 21/05/1934 no Rio de Janeiro; casado com sua prima Maria de Aquino e Moura; filhos:
1.1.3.1 Edson de Aquino e Moura;
1.1.3.2 Maria Aparecida e Moura, falecida em 1985 em Barbacena, MG;
1.1.3.3 Mário de Aquino e Moura;
1.2 Maria Tolentino de Aquino e Moura, casada com João Tolentino Pereira de Castro; filha descoberta:
1.3.1 Lavinda Tolentino de Castro, casada em 01/07/1894 em Paracatu com o coronel João de Pinho Costa, falecido em 04/1953, natural de Araxá, MG, filho do alferes Manoel Joaquim da Costa e de Maria Antônia de Pinho; foram abastados fazendeiros em Ipameri, estado de Goiás; pais de: 
1.3.1.1 Geni Costa Pinheiro, casado com Eustórgio Pinheiro, residentes em Uberaba, MG;
1.3.1.2 Dr. João de Pinho Costa Júnior, médico, casado com Avenire de Pinho; residentes em Ipameri, Goiás;
1.3.1.3 Odete Costa Pereira, casada com Homero Pereira, fazendeiros residentes em Paracatu, MG;
1.3.1.4 Dolores Costa Faria, casada com José Barbosa de Faria, fazendeiro e político em Ipameri, Goiás;
1.3.1.5 Walter Pinho Costa, casado com Alice de Pinho, gerente do Banco Hipotecário em Paracatu;
1.3.1.6 Ari de Pinho Costa, casado com Gelcira Alves Ribeiro Pinho, filha de Domingos Alves Ribeiro e de Georgina Pimentel de Ulhoa; moradores em Paracatu e fazendeiros em Cristalina, Goiás;
1.3.1.7 Alda Pinho Taveira, casada com Antonio Taveira, residentes em Paracatu;
1.3.1.8 Helio Pinho Costa, casado com Nélida Roquete Costa;
1.3.1.9 Nair Pinho Costa, solteira por ocasião do falecimento do pai;
 1.3 Ana de Aquino e Moura, falecida no inventário da mãe; foi casada com Joaquim Avelino Pereira de Castro.
Filhos:
 1.3.1 Adelaide Avelino Santiago, casada com Joaquim de Moura Santiago (vide descendência AQUI);
1.3.2 Dorvalina Avelino Pereira de Castro;

 1.4 João de Aquino e Moura, falecido por volta de 1930; casado aos 23/07/1887 em Araxá com Rita Cândida de Pinho Costa Aquino, natural dali, nascida em 02/08/1871, filha legítima do alferes Manoel Joaquim da Costa e de Maria Antônia de Pinho; Rita de Pinho faleceu em 19/08/1939 em Paracatu; João de Aquino foi nomeado agente dos correios em Paracatu no ano de 1886; em 1892 exercia a função de subdelegado de polícia em Araxá. Possuidores das fazendas Castelhano e Larga, localizadas no município de Ipameri, Goiás.
Notícia de Jornal: “O casamento consumiu duas noites de bailes, doces e bebidas e eloquentes discursos do Dr. Juventino Polycarpo Alves de Lima (casado com uma paracatuense, grifo nosso) e do Dr. João José Frederico Ludovice, respectivamente juiz de Direito da Comarca e juiz Municipal do Termo de Araxá”. (Gazeta de Uberaba, de 13/08/1887)
Inventários:
João: 1ª Vara I-40;
Rita de Pinho Aquino Moura: 1ª Vara I-50.
Filhos:
1.4.1 Deocleciano de Aquino Moura, nascido em 1890 e falecido em 25/01/1931 no Rio de Janeiro; casado
com Maria de Menezes;
 Filha:
1.4.1.1 Ivone;
Nota3: Maria de Meneses casou em 2ª núpcias com o Dr. Francisco Martins Lopes, Juiz de Direito do Ipiranga;
1.4.2 Djanira Aquino Tolentino; moradora em Ipameri; retorna à sua cidade natal na viuvez;
1.4.3 Anila de Aquino Ribeiro, casada com Erezthon (?) Ribeiro, residente em Barretos, SP.
Filhos:
1.4.3.1 Djanira Ribeiro, viúva de Afrânio Batista de Oliveira; 1.4.3.2 Maria das Dores Ribeiro de Andrade, casada com o professor Luiz Andrade Jorge;
1.4.3.3 Geraldo Ribeiro, solteiro, residente em Araguari, MG;
1.4.3.4 Rita da Conceição Ribeiro de Faria, casada com Alexandre de Faria Pereira;
1.4.3.5 Zulma Aparecida Ribeiro, residente em Paracatu, MG;
1.4.3.6 Diva Ribeiro, residente em Paracatu, MG;
1.4.3.7 Eduardo Ribeiro;
1.4.3.8 Edgar Ribeiro;
1.4.3.9 Tancredo, residente em Ipameri, GO;
1.4.3.10 Delma;
1.4.4 Anésio de Aquino e Moura, residente na capital de São
Paulo;
1.4.5 Maria de Aquino e Moura, residente em Paracatu, MG.
1.4.6 Eduardo de Aquino e Moura, nascido em 13/10/1898; viveu entre São Paulo capital, e Ipameri, Goiás, onde faleceu em 1960; seus restos mortais foram trasladados para Paracatu, e sepultados no jazigo da família (notícia de jornal); foi representante comercial; foi casado em 16/09/1931 em Monte Carmelo com Maria Mundim Rodrigues da Costa, filha de Raimundo Rodrigues da Costa;
1.4.7 Jacinta Aquino e Moura, casada em 1936 em São Paulo com Henrique Batisti;
1.4.8 Alzira Aquino Moura, residente em Paracatu, MG;
1.4.9 José de Aquino e Moura; viveu entre Paracatu, Urutaí, GO, e, por fim, em Uberlândia, MG; foi Guarda – Livros do Frigorífico da família Naves em Uberlândia; jornalista, fundou o jornal “O Paracatu”, e colaborou em jornais do Triângulo Mineiro;
1.4.10 Manoel Joaquim Aquino e Moura; casado em 10/07/1943 com Jerônima de Carvalho em Jataí, GO; representante comercial de firmas de São Paulo; radicado em Jataí, foi mercador de gado Zebu, e importante fazendeiro local; filho descoberto, primogênito:

1.4.10.1 Cláudio de Aquino e Moura;
1.4.11 Maria José de Aquino e Moura, professora, residente em
Paracatu, MG;
1.4.12 Rita Aquino Filha; professora;
1.4.13 Eraldo Aquino Moura; negociante e residente em Jataí, GO;
1.4.14 Alice Aquino Moura;
1.5 Pedro de Aquino e Moura, casado em 20/05/1897 com Ambrosina Pereira da Costa, filha de Joaquim Pereira da Costa e de Franklina de Pina e Vasconcelos; filhos descobertos:

1.5.1 Joaquim Pedro de Aquino e Moura, viveu em Ipameri, Goiás;

1.5.2 José Joel de Aquino e Moura;
1.6 Thomazia de Aquino Dias, nascida em 08/01/1868 e falecida em 01/01/1932; casada com Bernardo de Sousa Dias.


Fontes:

1 Inventários citados no texto, sob a guarda do Arquivo Público de Paracatu;

2 Livros Paroquiais da igreja de Santo Antônio de Paracatu.

Postagens mais visitadas

DONA BEJA E O TESTAMENTO DO PADRE

O vigário Francisco José da Silva foi um padre típico do sertão mineiro: fazendeiro abastado, político influente, e mulherengo, como quase todos os padres de seu tempo. Teve participação decisiva na evolução político-administrativo e social da Araxá na época em que lá viveu, entre 1815 e 1845, ano de seu falecimento. Participou, mesmo que discretamente, da Revolução Liberal em Araxá, apoiando seus sobrinhos liberais, liderados pelo coronel Fortunato José da Silva Botelho, no embate político que se travava em Minas nos anos de 1842. Legitimou em cartório em 1831, três filhos, a saber: Pedro Amado de São Paulo, Placidina Maria de Jesus, e Teresa Thomásia de Jesus. Antes, em Dezembro de 1826, ele dita seu testamento escrito pelo advogado paracatuense João de Pina e Vasconcelos, onde declara não ter herdeiros descendentes (sic) e/ou ascendentes por serem falecidos seus pais, e que nomeava como seus herdeiros Antonio Machado de Morais, Pedro Amado de São Paulo, e Teresa Thomásia de Jesus, …

NOTAS GENEALÓGICAS - OS GAIA DE UNAÍ, MINAS GERAIS

POR JOSÉ ALUÍSIO BOTELHO
(Mandado por Geralda Gislene Torres Gonçalves), com adaptações e acréscimos.
Sobrenome toponímico originário de Vila Nova de Gaia, região metropolitana do Porto, Portugal. Por volta de 1845, na poeira do padre cônego Miguel Arcanjo Torres, nomeado vigário-geral da comarca de Paracatu, vieram Porfírio e Martinho Gaia, parentes, provavelmente oriundos de Santana de Ipanema, estado de Alagoas.
1 Capitão Porfírio Rodrigues Gaia, casado com Flávia de Melo Franco, filha de Francisco de Melo Franco Bueno, falecido em 1844 aos 33 anos, e de Mariana Pimentel de Ulhoa (primeiro casamento desta).

Filhos:
1.1 Manoel Rodrigues Gaia, falecido solteiro aos 27 anos de idade em 11/04/1896 na cidade de Palma, MG; normalista pela Escola Normal de Paracatu em fins de 1886, professor público, artista plástico por excelência;

1.2 João Gaia, casado com Luzia Alves de Souza, com quem teve a filha única:

1.2.1 Flávia Gaia Alves, casada com Djalma Torres, escrivão do crime por longos anos e…

REIS CALÇADO - UMA FAMÍLIA JUDIA NA PARACATU DO SÉCULO XVIII

Por José Aluísio Botelho Eduardo Rocha
Mauro Cézar da Silva Neiva


Família de origem cristã nova pela linha agnata, originária do Ceará, miscigenada. Pois bem, para o arraial de São Luiz e Santana das Minas do Paracatu, provieram,  os irmãos Alexandre José dos Reis Calçado e Antonio Rodrigues dos Reis Calçado, naturais da freguesia de Nossa Senhora da Conceição de Acaracu (atual Acaraú), termo de Aracati, Ceará, filhos naturais do capitão Gaspar Rodrigues dos Reis Calçado, natural do Recife, capitania de Pernambuco, e de Luzia Maria da Rocha, mulher solteira,escrava que foi do mesmo capitão Gaspar dos Reis Calçado, natural da freguesia de Acaracu (Acaraú); Alexandre José, objeto de nosso estudo, nascido em 1764, casou por volta de 1785, com Luzia Rodrigues de Oliveira, natural do arraial de Paracatu, falecida em 04/07/1837, filha de Antonio Rodrigues de Oliveira e de Ana Rodrigues de Araújo. Viveu do lucro de suas fazendas, notadamente da localizada nos limites da serra do Tombador, no d…

DONA BEJA E OS BOTELHOS DE PARACATU

Muito se tem falado no âmbito familiar e fora dele, acerca de possível parentesco consangüíneo ou por afinidade entre Dona Beja e a família Botelho de Paracatu, ao longo de décadas. Essa dúvida, real ou proposital trazida pelos mais velhos, receosos da veracidade do parentesco com a mitológica personagem da história de Araxá, e que levou um dos nossos velhos tios, já falecido, a dizer peremptoriamente certa vez: “Eu não sou parente de uma cortesã”, persiste até os dias atuais.
Ana Jacinta de São José, a mitológica Dona Beja, nasceu em Formiga, Minas Gerais, por volta de 1800, filha natural de Maria Bernarda dos Santos e de pai ignorado. Chegou ao então florescente julgado de São Domingos do Araxá ainda menina, acompanhando a mãe e o irmão Francisco Antônio Rodrigues, talvez à procura de melhores condições de vida, já em princípios deste século dezenove. Segundo alguns historiadores, ela tornou-se uma mulher bonita, de cabelos e olhos claros, que chamava a atenção dos homens do lugar, i…

OS SANTANA DE PARACATU - MG

Texto José Aluísio Botelho
Pesquisas Eduardo Rocha 
Colaboração Mauro César da Silva Neiva


Família iniciada em Paracatu com o casamento do tenente Joaquim José de Santana e Dona Maria Peixoto. Não descobrimos a data em que se deu o enlace, bem como não sabemos a naturalidade e ascendência do casal. Filho descoberto:
1 – Capitão João José de Santana, nascido por volta de 1814, pouco mais ou menos, criado e educado com esmero pela tia paterna Dona Florência Maria de Santana, tornou-se um rico capitalista, comerciante na Rua do Calvário e fazendeiro; foi vereador do município; falecido em abril de 1895. Esparramado genearca, casou três vezes, deixando 14 filhos dos três leitos.
Com Luiza de Jesus de Afonseca Costa, nascida em 21/06/1816, filha de Antonio Joaquim da Costa, falecido em Araxá aos 31/12/1839, e de Caetana de Afonseca e Silva, 

  teve os filhos:

1.1 - Maria Luisa de Santana, falecida em 16/06/1920. Foi casada com Antonio Eugênio de Araújo, nascido em 01/10/1830 e falecido em 24/04/…