Pular para o conteúdo principal

Postagens

Postagem em destaque

SUBSÍDIOS PARA A HISTÓRIA DE PARACATU - O COMEÇO DE UMA BELA HISTÓRIA

Por José Aluísio Botelho
Postagens recentes

ACHEGAS AS "MEMÓRIAS GENEALÓGICAS E HISTÓRICAS DA FAMÍLIA CALDEIRA BRANT"

Por José Aluísio Botelho
Pedro Caldeira Brant, conde de Iguaçu (leia sobre ele in fine), escreveu na segunda metade do século XIX, obra manuscrita, até hoje não publicada, intitulada “Memórias Genealógicas e Históricas da Família Caldeira Brant e Outras Transcripcõens e Originaes”, em que descreve a genealogia e a história da família desde sua origem na Bélgica no século XIV, passando por Portugal até chegar no Brasil em fins do século dezessete, início do dezoito. O conde linhagistaem seu códice, teve o cuidado de fazer transparecer a verdade genealógica em suas pesquisas: discorre sobre a origem dos Van Brant em Anvers (francês) = Antuérpia, baseada em fontes secundárias,faz conjecturas acerca do nome Van Brant, em analogia aos duques de Brabant e a possível origem bastarda, ilegítima dos Brant; com breves referências sobre o tronco português, passa ao Brasil, onde aprofunda asinvestigações de seu ramo genealógico paterno,bem como dá ênfaseàs suas origens pelo lado materno, usando com…

JOÃO DE MELO FRANCO, FAMILIAR DO SANTO OFÍCIO NO ARRAIAL DE PARACATU

Por José Aluísio Botelho
O português João de Melo Franco forjou uma das mais importantes famílias brasileiras, pela notabilidade de alguns de seus membros. Pois bem, em 1754 a partir do arraial de Paracatu, onde era morador, João de Melo Franco fez petição requerendo investidura para o cargo de Familiar do Santo Ofício da Inquisição.
O que era ser familiar do Santo Ofício?
Ser familiar traduzia o reconhecimento da chamada pureza de sangue, de ser reconhecido como cristão velho; o cargo era visto como um privilégio, dando ao possuidor estatuto social na comunidade em que vivia; as funções dos familiares consistiam na prisão dos réus, no sequestro de seus bens, na notificação das testemunhas, no acompanhamento dos presos, dentre outras. A familiatura conferia ao portador da carta e da insígnia, imunidade, bom relacionamento com a igreja e ascensão social, no caso do habilitando ser oriundo das camadas mais baixas da população. A confirmação no cargo, decorria depois um processo de averigu…